“Nós, os que escrevemos, temos na palavra humana, escrita ou falada, grande mistério que não quero desvendar com o meu raciocínio que é frio. Tenho que não indagar do mistério para não trair o milagre. Quem escreve ou pinta ou ensina ou dança ou faz cálculos em termos de matemática, faz milagre todos os dias.”
Um dos maiores prazeres de dar aula é (re)descobrir alguns livros.
Eu sempre fui fã de Clarice Lispector , principalmente durante minha adolescência, pois ela sempre dizia aquilo que eu ansiava por ouvir (e do modo que eu esperava)
Clarice é para mulheres. Sempre tive essa impressão. Escreveu mulher, sobre mulher e para mulher.
Difícil encontrar homens que entendam Clarice. Talvez o Chico
Mas Clarice saiu da lista do vestibular e andou um pouco esquecida na minha estante.
Esse ano, pedi para a turma do terceiro (EM) ler A hora da estrela, para demonstrar a questão da metalinguagem.
“Sou eu que escrevo o que estou escrevendo”
Uma das coisas mais tristes de ser professor é isso. Acabar distanciando a emoção da arte e se concentrando apenas na técnica. De repente, não mais que de repente…a aula de literatura virou anatomia.
As apostilas, os livros didáticos…todos esses instrumentais cirúrgicos impedem que os alunos vejam a literatura como ela é. Uma arte. Mas isso é um tópico para outro post.
Hoje é Clarice e apenas ela. E seus prazeres…
Quem nunca leu Uma aprendizagem ou O livro dos prazeres deve largar tudo, sair correndo e comprá-lo agora.
Tá, talvez amanhã quando a livraria estará aberta.
De qualquer modo, uma mulher deve ler esse livro, pois todas nós somos e sempre seremos a Lóri. Tentando entender o mundo, suas emoções, sensações e Ulisses.
Um Ulisses muito mais próximo de nós do que de Joyce. Nossos Ulisses de todos os dias.
Quem se arriscar a ler algumas citações do livro, vai se envolver de tal maneira que realmente estará na porta da livraria amanhã.
Algumas das minhas favoritas são:

“Se fosse protegida por Ulisses ainda mais do que era, ambicionaria logo o máximo: ser tão protegida a ponto de não recear ser livre: pois de suas fugidas de liberdade teria sempre para onde voltar.”

“O que ela era, era apenas uma pequena parte de si mesma. Sua alma incomensurável. Pois ela era o Mundo. E, no entanto vivia o pouco. Isso constituía uma de suas fontes de humildade e forçada aceitação, e também a enfraquecia diante de qualquer possibilidade de agir.”

“Será, Lóri, como a tua frase que sei de cor: será o mundo com sua impersonalidade soberba versus minha individualidade como pessoa mas seremos um só.” (Ka, essa me lembra vc, não sei pq)

“Nos piores momentos, lembre-se: quem é capaz de sofrer intensamente, também pode ser capaz de intensa alegria.”

Agora, me diga: quais são as suas favoritas?
Para ver